terça-feira, 20 de setembro de 2011

Será que estamos a fazer um bom trabalho para a conservação da natureza na Faia Brava?

Todos os dias, ao percorrer os caminhos da Faia Brava, assalta-nos a seguinte dúvida: Será que estamos a fazer um bom trabalho para a conservação da natureza?
É uma questão legítima, que deve estar na base de qualquer projecto de conservação de natureza, e que não tem resposta fácil e rápida. No entanto, é possível ter uma resposta.
Para colmatar lacunas de conhecimento sobre espécies, habitats, o seu estado de conservação e a dinâmica das biocenoses na Faia Brava, a equipa técnica, em colaboração com inúmeros estudantes universitários, investigadores e voluntários, saem para o campo para recolher dados sobre espécies e habitats. Os dados são recolhidos ao longo de todo o ano e há ocasiões em que se faz um esforço extra para um determinado grupo de seres vivos.


Mas afinal que dados são esses?

São observações directas ou indirectas de fauna e flora, que permitem a identificação de espécies e a sua compilação primeiro que tudo
em listas. Estas listas ou inventários são, nada mais, nada menos, que o registo da biodiversidade que existe na Faia Brava. Esta recolha de dados é mais fácil para alguns grupos (aves ou flora) do que outros (mamíferos, insectos ou aranhas). No entanto, a única maneira de conservar seja o que for é saber o que existe num determinado local.
Toda a observação confirmada é depois inserida na base-de-dados de biodiversidade da Faia Brava e essa informação é também partilhada com a comunidade, através das plataformas Biodiversity4All e Naturdata, que possuem espaços exclusivos para a Faia Brava.
Qualquer visitante da Faia Brava pode também participar nesta tarefa tão importante de registo da biodiversidade e inserir os dados das suas identificações nestas plataformas.
Para saber o que fazemos com essa informação, não perca o próximo post sobre o Estudo e Monitorização de Biocenoses da Faia Brava.