quinta-feira, 31 de maio de 2012

A única Bonelli a criar no Nordeste de Portugal está na Faia Brava

No dia 16 de Maio, a equipa de biólogos da ATN (Alice Gama, João Quadrado e Eduardo Realinho - Universidade de Aveiro) fez uma descoberta única e muito especial. Ao fim de 3 anos de buscas, a ATN encontrou o novo ninho do casal de Águia de Bonelli, o único da ZPE, e este ano, o único de todo o Nordeste de Portugal com nidificação confirmada. No ninho estão 2 crias, neste momento com 5 semanas de idade.













Fotografia de João Cosme


Nas últimas duas décadas, esta espécie tem vindo a desaparecer a um ritmo alarmante de todo o Nordeste do país. Na Faia Brava, esta é uma das missões mais importantes do projecto: proteger e conservar uma das águias mais raras da Europa. Daí todo o esforço que tem sido feito ao longo dos últimos 12 anos no sentido de dar tranquilidade às populações de rupícolas da ZPE, de efectuar uma vigilância apertada de toda a actividade na Faia Brava e, através de acções de gestão activa de habitats, conservar o mosaico agro-florestal que é a paisagem que mantém esta e tantas outras espécies da rica biodiversidade do Côa. A nidificação da Bonelli na Faia Brava é um verdadeiro indicador de resultado do nosso trabalho.

Nos últimos 3 anos, apesar do esforço constante de seguimento das aves rupícolas, não só na Faia Brava, mas em toda a ZPE do vale do Côa, a ATN não conseguiu encontrar o ninho do único casal de Águia de Bonelli da ZPE. Este casal é conhecido desde 1993. No entanto, o seu território sofreu inúmeras alterações ao longo dos anos. Esta instabilidade deve-se a inúmeros factores, incluindo, por 3 vezes, a ocupação de ninhos existentes por casais de Grifo, que iniciam o período de nidificação mais cedo que as águias.

Ano após ano, o casal de Águia de Bonelli, para além de lutar pela sua própria sobrevivência, caçando Perdiz-vermelha, Pombo-das-rochas e Coelho-bravo, busca uma escarpa tranquila para nidificar e presas suficientes para alimentar 1 ou 2 crias por ano. O sucesso do casal só é real quando a cria ou crias voam com sucesso do ninho.

Este ano, devido a factores difíceis de apontar com total certeza, por todo o Nordeste, todos os casais de Águia de Bonelli falharam a nidificação. Falta de presas, condições climatéricas adversas, perturbação, muitas são as causas por detrás destas falhas. E apesar de na Faia Brava, a ATN não poder afirmar que controla todos estes factores, a verdade é que, apesar da competição entre espécies que muitas vezes existe pelas fragas do Côa, o que é certo é que temos a convicção de que tudo está a ser feito para manter este importante casal de águias, que tanta atenção recebe da parte de biólogos, visitantes da Faia Brava e sócios da ATN.

Aqui fica uma fotografia desse lugar tão especial do Côa, a Faia Brava das Bonelli. Queremos manter o lugar anónimo, mas, ainda assim, gostaríamos de partilhar a nossa alegria com todos os nossos sócios, amigos e apoiantes. Porque a Faia Brava é de todos e para todos.

Nesta fotografia, ao centro, o ninho da Águia de Bonelli, fotografado através de um telescópio a centenas de metros e do outro lado do rio. Atrás da giesta da direita, duas crias estão deitadas à sombra

sábado, 26 de maio de 2012

Sustentabilidade é Acção: Portugal - Terra


Locais: Serra de Sintra, Serra da Lousã, Serra de Montesinho, Serra da Estrela, Rio Zêzere, Rio Tuela, Rio Douro, Tejo Internacional,Reserva da Faia Brava...
sustentabilidadenaoepalavraeaccao.blogspot.com/.../portugal-t...

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Workshop Serviços do Ecossistema em Espaços Florestais

ATN vai estar presente neste evento, com uma apresentação sobre o trabalho desenvolvido na Faia Brava no âmbito da gestão florestal para a conservação da natureza. Participem.


Workshop Serviços do Ecossistema em Espaços Florestais
Contributos para uma Economia Verde

24 Maio 2012
Auditório Vergílio Ferreira, Gouveia

  
Esta é uma oportunidade para…

-    Conhecer projectos ligados à produção e oferta de serviços fornecidos pelos ecossistemas florestais;

-    Saber como implementar boas práticas de gestão florestal sustentável e seus indicadores;

-    Contactar com mecanismos de financiamento que apoiam os serviços de ecossistema;

-    Esclarecer dúvidas sobre mecanismos de  valorização dos espaços florestais;

-    Divulgar as iniciativas que está a desenvolver.


PROGRAMA

9h30 | 10h00
Abertura
  
10h00 | 12h00
Painel I – Produção e Oferta de Serviços
  
-  Projeto PRADSE: Requalificação de Áreas Degradadas da Serra da Estrela | Rui Xavier – Urze
  
-  Projeto SAVE (UTAD / Quercus) | Quercus
  
-  Projeto Faia Brava | Alice Brava – Associação Transumância e Natureza
  
-  ForCES – Certificação Florestal de Serviços dos Ecossistemas | Vera Santos – FSC Portugal

-  As Zonas de Intervenção Florestal e os SEEF | Forestis
  
12h00 | 12h30
Debate
  
13h00 | 14h00
Intervalo de almoço
  
14h00 | 15h30
Painel II -       Boas práticas de Gestão Florestal e Indicadores
  
-  Boas Práticas para o Pinheiro Bravo | Susana Carneiro – Centro Pinus
  
-  Base de Dados: Manuais de Boas Práticas Florestais e objetivos SEEF | Graça Louro – AFN
  
Sistemas de Indicadores:
  
-  Indicadores PEFC e FSC de gestão florestal – Aplicação aos SEEF | Paula Guimarães – gPS
  
-  Convenção de Combate à Desertificação – do Global ao Projeto Local | Lúcio do Rosário – AFN
  
15h30 | 16h00
Debate

16h00 | 17h30
Painel III – Valoração de SEFF: Mecanismos e formas de financiamento

 Apresentação de exemplos:
  
-  O caso da EDP | Vítor Batista – EDP


-  Fundo Especial de Investimento Imobiliário Florestal | Luís Unas – Floresta Atlântica
  
-  O Turismo da Natureza e a sua relação com a Floresta | António Martins – Turismo do Centro
  
-  Fundo de Proteção de Recursos Hídricos | a indicar
  
17h30 | 18h00
Debate
  
18h00  
Encerramento

terça-feira, 8 de maio de 2012

Visita da Fundação MAVA

Na semana passada, entre os dias 28 de abril e 2 de maio, a ATN e a Fundación Naturaleza y Hombre receberam uma visita extremamente importante. Toda a direcção da Fundação MAVA, fundadora e financiadora de projectos de conservação de prestígio em todo o mundo, esteve no Oeste Ibérico para conhecer em primeira mão o trabalho que tem sido realizado pelas duas asssociações em prol da conservação da natureza do Oeste Ibérico.

Esta fundação teve um papel muito importante na fundação da Associação Transumância e Natureza, através de um apoio financeiro para a aquisição dos primeiros terrenos da Faia Brava e também no Douro Internacional, no ano 2000.

Em 1999, Luc Hoffman visita a Faia Brava pela primeira vez. Esta fotografia foi tirada junto ao pombal do Coto


Passaram praticamente 12 anos desde a fundação da ATN, e a Fundação MAVA continua empenhada em colaborar com a ATN no desenvolvimento profissional desta pequena associação. A MAVA reconhece todo o trabalho que tem sido feito pela ATN e quer ajudar a associação a profissionalizar-se, a ter um papel mais activo regionalmente, especializando-se na gestão de áreas naturais. Para a ATN este é um passo gigante e de enorme responsabilidade, mas que sentimos sermos capazes de dar com segurança e determinação.

A visita que a direcção da MAVA realizou à Faia Brava serviu também de pretexto para lançar as bases de uma nova rede de reservas privadas do Oeste Ibérico, em colaboração com a Fundación Naturaleza y Hombre, gestora da Reserva Biológica de Campanários de Azaba (Ciudad Rodrigo). Apresentámos também a nova linha de produtos regionais de marca Faia Brava, que agora se juntam ao azeite biológico, para apoiar a sustentabilidade financeira do projecto, para divulgar o projecto e contrinuir para o desenvolvimento socio-económico da região onde a Faia Brava se insere.

Queremos deixar aqui um agradecimento muito especial a todos os que connosco partilharam estes dias cheios de energia, com vontade redobrada de continuar a desenvolver trabalho de sucesso na conservação da natureza do Nordeste de Portugal e do Oeste Ibérico.

A direcção da MAVA planta 20 árvores na propriedade que ajudou a adquirir.



Depois da libertação de 10 cavalos garranos na nova área de 200 hectares, o grupo começa uma caminhada de descoberta da Faia Brava, ao longo da Grande Rota do Vale do Côa.

A paragem seguinte é no ponto mais alto da Faia Brava, onde podemos mostrar à direcção da MAVA, o longo caminho que percorremos desde a compra da primeira propriedade, lá ao longe, junto ao pombal do Coto, até ao sítio onde nos encontramos hoje. Hoje gerimos 5 km de rio, 800 hectares, num espaço natural dedicado à conservação da biodiversidade do vale do Côa - aqui inaugurámos a placa que comemora o regresso da MAVA à Faia Brava.

Ao longo do caminho, as amendoeiras da Faia Brava obrigam a uma nova paragem e sessão de degustação que já é uma tradição dos visitantes - partir amêndoa nas pedras ao longo do caminho e provar a amêndoa da Faia Brava.

Chegados ao centro da Faia Brava, espera-nos um gigante de 500 anos, que nos faz sentir pequenos e efémeros.

Jesús Garzón - presidente da Associación Transumancia y Naturaleza (Espanha), fala sobre o sobreiro.

Antes do almoço ainda houve tempo para uma visita ao pombal da Bicha, para observação de ninhos de Grifo e uma conversa sobre o projecto de conservação das Aves Rupícolas.

 Chegados às Hortas da Sabóia, espera-nos uma fogueira e um copo de vinho, antes de um magnífico picnic, servido pela Casa da Cisterna - a conversa animada continua e já lá vão 5 quilómetros de caminhada.


No Museu do Côa, os nossos parceiros da Fundação Côa Parque levam o grupo numa viagem ao Paleólítico superior e à pré-história deste nosso rio Côa - as ligações entre o passado e o presente no Côa e na Faia Brava, e a própria gestão de um território de múltiplos patrimónios, levam a ATN e a Fundação Côa Parque a ter uma relação muito estreita, que era importante mostrar à MAVA.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Quinta de Pero Martins

É o alojamento de Turismo em Espaço Rural mais próximo dos limites da Faia Brava.

Recomendamos uma estadia na Quinta de Pero Martins e agradecemos aos proprietários a menção à Faia Brava no seu blog aqui.

A Quinta de Pero Martins celebrou recentemente um protocolo de colaboração com a ATN para o desenvolvimento conjunto de actividades de turismo na Faia Brava.



7º Encontro da Primavera


Realizou-se no passado dia  25 de abril, na Herdade do Freixo do Meio (no concelho de Montemor-o-Novo), o 7º Encontro da Primavera que, este ano, celebrou também  o reconhecimento do sobreiro como a Árvore Nacional de Portugal, entre muitas outras iniciativas.

A ATN e a Árvores de Portugal estiveram presentes nas comemorações.

A ATN quer agradecer a hospitalidade, especialmente ao Alfredo Sendim, responsável pela Herdade do Freixo do Meio e seus colaboradores, que estavam a orientar os participantes nas várias actividades, e dar os parabéns pelo excelente trabalho que têm desenvolvido na herdade ao longo deste anos, em prol da biodiversidade e conservação dos habitats existentes na herdade.

Se ainda não conhece a Herdade do Freixo do Meio não deixe de fazer uma visita. Dispõe de um parque de campismo e trilhos sinalizados para poder usufruir do sossego e da natureza.

No programa das festas destacou-se a comemoração do Sobreiro como a Árvore Nacional de Portugal, que contou com a presença de Miguel Freitas e Luís Gil, ambos defensores da causa, e que desde o início apoiaram a ATN e Árvores de Portugal  nesta iniciativa.

 
Vão se tentar desenvolver outras iniciativas pelo país para comemoração do Sobreiro Árvore Nacional, estejam atentos.


Ficam algumas fotos do evento para abrir o apetite.