quarta-feira, 15 de maio de 2013

Sábados do Abel: Desmantelamento de UAAs




O "Sábado do Abel" de 13 de Abril foi dedicado a desmantelar 15 Unidades de Alimentação e Abeberamento ou também quem lhes chame Unidades de Alimentação Artificias, as UAAs. Tratam-se de pequenos cercados com 1 a 4 m2, que evitam a entrada de javalis, ovelhas e outros ungulados, e o contato com dispositivos que pretensamente servem de comedouros e bebedouros para aves, nomeadamente perdizes e outras aves granívoras. 

A instalação de UAAs ocorreu entre 2008-2009 em diversos pontos da Faia Brava e destinou-se a aumentar a disponibilidade de comida (trigo) e água, que são de facto recursos limitados e escassos especialmente durante o estio. A construção das UAAs é bastante simples e os equipamentos podem ser adquiridos em lojas de produtos pecuários ou para caça. A inspiração destes dispositivos vinha precisamente das associações de caçadoras que durante anos desenvolveram este tipo de técnicas como forma de tentar aumentar ou manter, artificialmente, os efetivos de perdiz.

A ATN montou as UAAs como procedimento experimental no sentido de observar se de facto estas estruturas supriam as carência de alimento e água, mais propriamente se eram efetivamente utilizadas pelos animais silvestres. Algumas das UAAs foram estudadas com câmaras fotográficas digitais, e de facto chegámos à conclusão que na generalidade estes dispositivos não eram usados pela fauna, nomeadamente pelas espécies-alvo desta experiência: aves granívoras. O alimento (trigo) ficava nos depósitos durante meses a fio e a água desparecia lentamente pela evaporação.

Assim decidimos suspender a manutenção das UAAs, tendo em consideração o  escasso efeito destes dispositivos na fauna, a que se somam os custos de manutenção (deslocações e afetação de pessoal para verificação periódica das mesmas, e porque com a adesão à Iniciativa Rewilding Europe (em 2011) passamos a privilegiar a não-gestão ou pelo menos as ações de gestão mais naturais ou sustentáveis em termos ecológicos (por exemplo fazendo charcas, utilizando herbívoros de grande porte para criar clareiras, fogos controlados).
Acreditamos pois que a natureza vai a fazer o seu trabalho, os recursos tróficos devem ser gerados pela própria comunidade ecológica. Os voluntários da ATN deram uma grande ajuda e armazenaram equipamento e material que virá a ser útil noutras ações (sem que se deteriore mais) e contribuíram para uma paisagem mais bonita e selvagem, na Reserva da Faia Brava.

O nosso obrigado aos 6 voluntários envolvidos: João Ruano, Luis, Hélio, Jorge, António, Abel Junior.